Magritte
Search e Contactos
Blogger

Feed Tugir Google Reader
Google


View blog authority

Home Page
Página Principal


Portugal

Mail@Mail:
Geral Tugir
Luis Novaes Tito [LNT]
Carlos Manuel Castro [CMC]


Portugal 2007



Arquivos
Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007


Apontadores, Alojamentos e Ferramentas
APDeites
APDSI
Blogo
Blogopédia
Blogs no Sapo
Blogservatório
Dead Links
Directório Paralaxe
Frescos
Gartner
NewsFeeder
Posto de Escuta
Trackback
Weblog.com.pt/


Para saber...
Destakes . Today's Front Pages

Estudos sobre o Comunismo
Opus Dei
Grande Oriente Lusitano
News Feed




Blogs

<- A ->
Abencerragem
Abjurado
Abrangente
Abrigo de Pastora
Abrupto
Absolutamente Ninguém
Absorto
Abstracto Concreto
Actos Irreflectidos
Adufe 4.0
Africanidades
Água Lisa (6)
Aguarelas de Turner
Alberto Velasquez
Aldrabas, Batentes e Fechaduras
Alfragide XXI
Algures Aqui
Aliviar o Pensamento
Almocreve das Petas
Um Amor Atrevido
Amicus Ficaria
O Amigo do Povo
Anarca Constipado
Arcádia
Ardelua
Arrastão
Arroios
A Arte da Fuga
Arte de Opinar
O Artolas
Aspirina B
Atento
Atribulações Locais
Átrium
Avatares de um Desejo
Avenida Central
Axonios Gastos

<- B ->
A Barbearia do Senhor Luís
Bazonga da Kilumba
Bem pelo contrário
Bica e Bagaço
Bichos Carpinteiros
O Bico de Gás
Bisca dos 9
Blasfémias
Blogame Mucho
Blogdozé
Blog Operatório
Blogotinha
Bloguítica
Blue Lounge
Bomba Inteligente
Bonfim
Briteiros
Butterflies & Fairies

<- C ->
O Cachimbo de Magritte
Caetera
Cais da Linha
Câmara Corporativa
Canhoto
Cão com Pulgas
Carlos Alberto
O Carmo e a Trindade
Carreira da Índia
A Causa foi Modificada
Causa Liberal
Causa Nossa
Mas Certamente que sim
Cinco Dias
Claro
Click Portugal
Cogitando
Confraria das Bifanas
Congeminações
O Condomínio Privado
Contra Capa
Corta-Fitas
Crítico
Crónicas Alfacinhas

<- D ->
Dar a Tramela
Descrédito
Despertar da Mente
A Destreza das Dúvidas
Destak
Devaneios Desintéricos
2 + 2 = 5
2 Dedos de Conversa
Defender o Quadrado
Dia da Espiga
O Diplomata
DoteCome Blog
- 273,15º C

<- E ->
Economia & Finanças
Elba EveryWhere
E.N 101
Ensaio Geral
Errante
Escaninho
O Escudo
Espumadamente
Esta Lisboa que eu Amo
Estrada Poeirenta
Estranho Estrangeiro
Expresso Conspiracy
Expresso Direcção

<- F ->
Faccioso
Fayal
Faz-te ao Largo
Filhos Perdidos
Fim de Semana Alucinante
Food-i-do
Foram-se os Anéis
A Forma e o Conteúdo
Forum Campo de Ourique
Forum Cidadania
Forum Comunitário
Freelance
French Kissin'
Fumaças
O Futuro Presente

<- G ->
Galo Verde
Gazeta Lusitana
Geração Rasca
Gestão/Marketing
Glória Fácil
Grande Loja Queijo Limiano

<- H ->
Há Mouro na Costa
Hoje há Conquilhas
O Homem do Leme

<- I ->
Ideias Soltas
Ilhas
A Ilusão da Visão
In Absentia
Inclusão e Cidadania
Incoativo
Incontinentes Verbais
Insinuações
O Insurgente
A Insustentável Leveza
Íntima Fracção

<- J ->
Jardim de Luz
JNPDI
João Soares
Jornalismo e Comunicação
JS Famalicão
JS Tomar
O Jumento

<- K ->
Klepsýdra
Kontrastes 2.0
Kontratempos

<- L ->
Lapas do Almonda
Legalices
A Lei do Funil
Letras com Garfos
LiBlog
Linha de Cabotagem
Linha de Conta
Lisboa Lisboa
LisbonLab
Lisbon Photos
Da Literatura
Lóbi do Chá
Loja de Ideias
Luminiscências
Lusofin
Luz e Dias

<- M ->
Macroscópio
Mader Focar
Mais Actual
Malaposta
Manos Metralhas
Mar Salgado
Margem Esquerda
Margens de Erro
Marquesa
Marretas
Ma-Shamba
Mau Tempo no Canil
Meia Laranja
Meia Livraria
Memória Virtual
Minha Rica Casinha
Miniscente
Miranda e Eu
Miss Pearls
Mitos Rurais e Urbanos
O Mocho II
A Montanha Mágica
Mudar a Máquina do Estado...
Muito cá da Casa
O Mundo Perfeito
Mundo Pessoa
Murcon
Murro no Estômago

<- N ->
Nada mais Claro
Nelsu, uma preta!
Nimbypólis
A Nossa Rádio
Os Nossos Queridos Jornalistas Desportivos
Notas ao Café
Notas Verbais
Nova Floresta

<- O ->
Objectiva 3
Ocasionalidades
Office Lounging
Oito Cinco Oito (858)
Ondas 3
On the Road Again
Opinar para Avançar
A Origem das Espécies

<- P ->
Palavras de Ursa
Pantalassa
A Par e Passo
A Partir de Inglaterra
Passado/Presente
Os Pássaros
Pé de Meia
Pedro Santana Lopes
Penamacor
Penduras
Pensamentos
Pequenos Nadas
O Perdigueiro
O Plagiário
Poeta sem poesia
Poetry Café
Política Maluca
Eu sou o Politicopata
Ponte Europa
Ponto Média
Pornograffiti
Porto das Crônicas
Por Tu Graal
Portugal dos Pequeninos
Do Portugal Profundo
Povo de Bahá
PS Ajuda
PS Belém
PS Lumiar
Publicista
Pura Economia
Puro Arábica

<- Q ->
Quarta República
Quase em Português

<- R ->
RandomBlog02
The Record Keepers
Regi Linda
Relações Internacionais
Respirar o Mesmo Ar
O Restaurador da Independência
Retórica
Retorta
Revisão da Matéria
Rititi
A Rosa
Rua da Judiaria

<- S ->
Santa Terrinha
Saude, SA
Sem Estrada
Setairis
Sinais Tortos
Sobre o Tempo que Passa
Solidariedade e Cidadania
A Sombra da Bananeira
A Sombra do Convento
SOS Acriticismo
Substrato
Suspeitix

<- T ->
Tasquinha
Tempo dos Assassinos
O Tempo das Cerejas
Timshel
Tomar
Tomar Partido 2
Toxana
Tralapraki
31 da Armada

<- U ->
Último Reduto
Ultraperiférico

<- V ->
Vento Sueste
Véu da Ignorância
A Vida Breve
Vida das Coisas
25 centímetros de neve
VoxBlogs Magazine
A Voz do Povo


RIP
<- A ->
Abnegado
Abrir Lisboa
Adufe
Água Lisa (0) (Bota Acima)
Água Lisa (1)
Água Lisa (2)
Água Lisa (3)
Água Lisa (4)
Água Lisa (5)
<- B ->
Barnabé
Blogolento
Bombyx Mori
<- C ->
O Carimbo
Cidadania Europeia
Cidadão Livre
Cidadãos por Lisboa
<- D ->
O Desenvolvimento Sustentável
<- E ->
O Espectro
Estaleiro
<- F ->
Forum Cidade
<- G ->
Guterres 2006
<- J ->
Janela para o Rio
Jaquinzinhos
O Jumento (Blogdrive)
<- M ->
Manuel Alegre Campanha
Manuel Alegre-Alargar a cidadania
Manuel Alegre - O Quadrado
Manuel Alegre(SG-PS)
<- P ->
O País Relativo
O Pastelinho
Penduras (antigo)
Pulo do Lobo
<- S ->
SIM (Portal)
De Socas nos Pés
Super Mário
<- T ->
Ter Voz
Terras do Nunca
Tratado da Constituição Europeia
<- W ->
Westerpart
<- V ->
Victum Sustinere
Viva Espanha
Votaria SIM
Vozeirão Virtual
<- X ->
Xicuembo


Portal do Governo - Programa XVII Governo (PDF)
- Programa Eleitoral PS (PDF)

Presidência da República

Comissão Nacional Eleições . TuCows

C/Net . TuCows

Apdeites . PTbloggers

You Tube . Metacafe

BlogPulse . BlogIceRocket

SNAP . SNAP

Google Search . Dir M Busca

Blog Search . Technorati

UEFA

More blogs about http://tugir.blogspot.com


Jiminy Cricket

Sitemeter Summary Sitemeter Referrals Sitemeter Gráfico Contador (ext) Imagens Webmail Blogger www2 Dicionario




Comunicação Social (Portuguesa)
Jornais
Açoriano Oriental
Antena 1 (P. Rolo Duarte)
A Bola
Correio da Manhã
Democracia Liberal
Destak
Diário dos Açores
Diário de Aveiro
Diário Digital
Diário Económico
Diário de Notícias
Expresso
Fábrica de Conteúdos
O Jogo
Jornal do Fundão
Jornal de Negócios
Jornal de Notícias
Lusa
O Primeiro de Janeiro
O Público
Rádio Clube Português
Rádio Comercial
Record
RTP
Sábado
Sapo XL (ver SIC directo)
SIC
SOL
TSF
TVI
TVNet
Visão
SICn ao vivo
SICn ao vivo


Comunicação Social (Estrangeira)
Jornais
Al Jazeera English
BBC
CNN
Le Figaro
Google News
Guardian Unlimited
Lisbon Times
Le Monde
El Mundo
MSNBC
NASA TV Public Channel
The New York Times
El Pais
Reuters
Time
The Times
USA Today
Veja


Outros WebSites

Ingrid Betancourt
Ingrid Betancourt

Liberdade Sequestrados FARC
Assinaturas Sequestrados FARC
Referências Sequestrados FARC

Stop Executions
Stop executions now

1º Aniversário TUGIR
1º Aniversário
Post Aniversário
Textos Blogs



2º Aniversário TUGIR
2º Aniversário
1º Post Aniversário
2º Post Aniversário
3º Post Aniversário
Textos Blogs



Jorge Sampaio
Comunicação de 2004-07-09
(Sampaio - Comunicação ao País)


Jorge Sampaio
Comunicação de 2005-03-12
(Sampaio - Posse XVII Governo)


Jorge Sampaio
Comunicação de 2004-12-10
(Sampaio - Dissolução AR)


Jorge Sampaio
Comunicação de 2005-07-17
(Sampaio - Posse XVI Governo)


José Sócrates
XV Congresso PS 2006
(Sócrates - Encerramento)


Aníbal Silva
Intervenção de 2006-03-09
(Silva - Tomada de posse)


Internacional

Tony Blair
Intervenção de 2005-06-23
(Blair - Parlamento Europeu)


Tugir em português
Magritte


online
sexta-feira, dezembro 30, 2005
 
Magritte[1.884/2005]
Bom 2006!

O ano está a acabar e outro pronto a chegar.
Quase dois mil textos publicados com regularidade nos últimos 365 dias. Muitas concordâncias e várias divergências, assim se tugiu nestas bandas.
Está na hora de encerrar o capítulo 2005.
Votos de um bom 2006.
O tempo pode passar devagar. Espera-se que ninguém fique pendurado em 2006. Fica uma das boas marcas de 2005.
CMC

Etiquetas: ,

7:10:00 da tarde . - . Página inicial . - . Comentários (0)




 
cores[1.883/2005]
Factos de 2005

Para terminar os textos relativos ao ano 2005, depois dos intérpretes, restam os factos, a nível externo e interno. E os mais relevantes, pelas paixões e ódios que levantam, não deixando ninguém indiferente, foram: este a nível mundial e este a nível nacional.
Obviamente tem de ser realçada a devastação sofrida pelo sul dos Estados Unidos, demonstrando que por maior que seja a potência, nem esta está a salvo. A Natureza está a dar sinais que merecem uma profunda interpretação.
Os mais desprotegidos pagaram caro a factura de um sistema que não é tão perfeito e justo como se pensa. Sistema bem mais aplicado e célere em conflitos beligerantes do que na ajuda humanitária.
CMC

Etiquetas: ,

6:51:00 da tarde . - . Página inicial . - . Comentários (0)




 
Oscares[1.882/2005]
Intérpretes de 2005
Políticos do ano

Pelos mesmos motivos deste político e, principalmente, por ter enfrentado interesses no próprio partido, terminando com os vícios e enriquecimento dos caciques locais, decidiu colocar a cabeça no cepo. Preferiu o esclarecimento das urnas, para que não houvesse dúvidas, e apresentou um projecto de futuro, num país que carece de profundas reformas para enfrentar os desafios que se colocam e procurar triunfar na competitiva era da globalização. As urnas suportaram a sua posição. Não só reiteram o apoio, como manifestaram-se de forma ainda mais expressiva do que em actos eleitorais anteriores.
Já informou que sai de cena no próximo ano. Tudo tem um tempo e o seu tempo político termina em 2006. Tem bom-senso e sabe que os projectos políticos pessoais têm um início e um fim. E o fim não significa um ponto final, mas sim lançar pontes para que outros prossigam o caminho do desenvolvimento.
Este senhor dispensa apresentações. No período actual, em que os políticos (nos sistemas democráticos) estão pouco tempo no exercício de funções executivas, é um caso de sucesso. Tem obra, tem pensamento e tem visão. Mesmo desgastado pelos vários anos de governação, a aposta do eleitorado manteve-se este ano. É um marco na política do seu país e, em particular, no espectro político a que pertence. No final do ano alcançou um acordo que muitos consideravam pouco provável e a meio conquistou a organização dos Jogos Olímpicos para o seu país. É dos poucos políticos da actualidade, se não mesmo o único, com dimensão mundial. Dentro de alguns anos será consensual o reconhecimento do grande Estadista deste tempo, de profundas, preocupantes mas interessantes mudanças.
CMC
10:58:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Oscares[1.881/2005]
Intérpretes de 2005
Políticos portugueses

O Melhor
Foi duramente criticado por quem menos se esperava no Verão de 2004. O tempo encarregou-se de lhe dar razão e o início do ano foi a melhor prova das atitudes e opções dificilmente assumidas no segundo semestre do ano transacto. Pena que saia de cena em breve, mas em democracia, em especial numa república, não há lugares vitalícios. Regressa à posição de cidadão. Espera-se que tenha uma voz activa.

O Arlequim
Quem tudo quer, tudo perde. E já se sabe, quem tem mais olhos do que barriga... Desfez-se o mito da invencibilidade. Protestar, na oposição, é fácil. Há quem lhe ache piada, mas tocar as cordas do poder obriga a outras responsabilidades e a situação muda de figurino. Revelou-se, para quem não acreditava, que não tem qualificações política e de liderança. De vez em quando regressa à ribalta das luzes, e quanto mais surge e defende o indefensável mais se comprova a falta de noção da realidade. É o arlequim da política nacional.

O Pior
Tinha tudo para ganhar. Se houve eleição neste país que não se perdia foi a contenda em que se meteu. De tanta trapalhada e de tanto desleixo patentes, bastava fazer uma campanha sem grandes sobressaltos. O senhor conseguiu alcançar o impossível: perder. Teve como adversário principal um político fraco, que é um técnico mediano. Incrível! É preciso ter dom para alcançar o feito de Outubro.
CMC
10:27:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Umbigo

[1.880/2005]
Então, está bem.
Para 2005 já basta assim.


E para acabar esta merda de ano no mais perfeito politicamente incorrecto, passemos ao que interessa:

Vamos lá comer as gaijas

Ciau bambini!
Vemo-nos (ler-nos-emos) em 2006.
LNT


PS1: Isto de Pacman diz-me qualquer coisa
PS2: Ao meu Blog de eleição em 2005.
Aos Besugo, Lolita e Alonso, un Bolero.


Música (Som do Tugir em português)
3:25:00 da manhã . - . Página inicial . - . Comentários (0)




 
Zé das Botas
[1.879/2005]
Revelações que podem provocar novas concepções

Se se confirmar que o Zé das Botas bateu a bota devido a efeitos premeditados, como consta, num momento em que a sua personalidade e filosofia vão adquirindo adepos na Rússia, a comprovar-se a veracidade dos documentos, é de esperar a adesão de mais pessoas à causa e ao partido que defende um dos maiores déspotas do século XX.
Já tentaram apagar o Holocausto, por isso não causará surpresa se alguém, ou alguns, dentro em breve, a corroborar-se o envenenamento, defenderem o tirano, fazendo da personagem uma vítima da História.
CMC
1:35:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
selo Finlândia
[1.878/2005]
Distinção do Yskiä

O lusitano que assentou arraias na Finlândia e donde escreve para o mundo virtual em bom português, destaca e considera o TUGIR, ou melhor, o YSKIÄ, como esta casa é conhecida na lista de links do Sob a Estrela do Norte, como um dos blogues do top de 2005.
Agradecemos a distinção do Homem das Neves.
LNT & CMC
12:20:00 da manhã . - . Página inicial . - .



quinta-feira, dezembro 29, 2005
 
lupa [1.877/2005]
As voltas previstas

O desavindo camarada português, que entretanto já restabeleceu a amizade com el señor de Havana, vai estar na tomada de posse de mais um libertador... do populismo. Que, por mera coincidência, e que coincidência!, começa o seu périplo exterior, antes de tomar posse como Presidente, por Havana.
Há voltas políticas óbvias e esta nem precisa de muitas mais palavras.
Começa o caminho por prestar culto à referência mor, depois as coordenadas chegarão atempada e regularmente de Caracas. A cassete já toca: contra o papão imperialista e terrorista, guerrear!
Populismo o muerte, hasta la victoria final.
Rico começo de século, na América do Sul. Não haja dúvidas.
CMC
11:56:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
facas[1.876/2005]
Políticos esfaqueados

Depois de um político português se queixar de facadas nas costas, desta vez é um político brasileiro a apresentar os mesmos motivos. Por acaso não aludiu a nenhuma incubadora.
Pelos vistos, as facadinhas nas costas estão a fazer escola na política lusófona.
CMC
11:47:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Oscares[1.875/2005]
Intérpretes de 2005
Político europeu

Num período em que os políticos tendem a orientar-se por sondagens, a depender dos inquéritos que se fazem, e com isso saber se devem ir para cima ou para baixo, se se devem mexer um pouco para este ou oeste, há quem prefira o combate frontal, prescindindo das manobras que se constroem ao sabor dos números indicados pelas sondagens.
Governantes e governados devem estabelecer uma relação de diálogo frontal e aberta, expondo e explicitando os argumentos, no primeiro caso, e exprimindo o sentimento nas urnas, no segundo.
Contra todas as perspectivas, e temendo-se uma bola de neve, depois das primeiras e negativas consultas populares, o político decidiu manter o compromisso e quis ouvir a voz soberana das urnas. As pessoas determinam o que querem.
O Primeiro-Ministro bateu-se por uma causa. A causa que defendeu triunfou, porque os cidadãos assim o entenderam.
É o político europeu de 2005.
CMC
6:33:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Oscares[1.874/2005]
Intérpretes de 2005
Surpresa do ano

Noutro blogue, cheguei a considerá-lo como o pior político, corria o ano de 2003.
Deste ano prestes a findar, não me posso esquecer do cimento que tem mandado erigir, mas muito menos me posso esquecer da atitude corajosa que assumiu no Verão.
É, sem sombra de dúvidas, a surpresa política do ano.
CMC
6:07:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Spencer Tunick
[1.873/2005]
Rebanhos de 2005

São cada vez mais.
Cada rebanho com os seus lobos.
Cada lobo com as suas peles, de lobo e de cordeiro.
LNT
Imagens:
Spencer Tunick
5:45:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Portugal[1.872/2005]
Como Portugal arde d'outro modo

Quem não preserva o passado desbarata o futuro.
Que memória viva Portugal guarda, quando tudo despreza?
Os bons e os maus momentos devem ser mantidos. Uns para não esquecer, e não repetir, outros para ter como referência.
Sabemos que os tempos são de contenção, de apertar do cinto, mas se há tanta verba para festas e festinhas, recepções e galas, pena que não haja nenhuma para manter e dinamizar o edificado.
Neste espaço, apaga-se descaradamente com uma esponja parte essencial do principal capítulo do século XX português. Curiosa, a história apresentada na página. Ficou entre os séculos XIV e XVII.
Agora desbarata-se um espaço simbólico, que podia e devia reavivar o espírito de um dos mais brilhantes escritor e político do século XIX.
Por este andar, qualquer dia podem fazer aqui um resort.
CMC
11:33:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
PS francês[1.871/2005]
Como o PS português imita o francês

Um dirigente diz isto, agora há de vir alguém da outra candidatura reagir.
Os dois contendores presidenciais da área socialista, e respectivas trupes socialistas, que seguem cegamente cada timoneiro, podem fazer um favor ao PS, se querem solucionar problemas pessoais, que os resolvam. Mas fora do partido.
Vão para um descampado, façam um piquenique e se quiserem continuar desavindos, tudo bem, problema deles.
Agora jogarem com o partido, francamente, permita-se-me a expressão, não entreguem o ouro ao bandido.
Já não há paciência para estas querelices, de ver quem é mais ou menos de esquerda, mais ou menos socialista, o que cada um fez ou não fez no passado, ainda por cima só beneficiam um candidato que se sabe ao que vem e o que quer, apesar de não dizer.
Enterrem a cabeça na areia e depois admirem-se de ficar como o PS francês. A discutir umbigos, enquanto a direita põe e dispõe como quer e lhe apetece.
Eu não simpatizo com a tese do Mr. Giddens, mas aqui bem se aplica o título do modelo, é preciso uma terceira via a estas duas... de cariz algo suicidário.
CMC
10:24:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
revista[1.870/2005]
O bom exemplo da direita portuguesa

Costumo comprar a revista. É bom para um país, como o nosso, parco em publicações do género, ter uma edição do género. Ainda por cima de uma área política que tem tido dificuldades, por diversas razões, em afirmar-se, como é, de direita, em Portugal.
Basta de ouvir dizer que se é de centro. Em democracia, ser de direita não é pecado, muito menos heresia.
É desejável que este género de revistas, sejam de direita ou esquerda, tenham saída. Precisamos de encontrar nas bancas escritos em português, e com conteúdo, mesmo quando não nos identificamos com a doutrina apresentada, como é o meu caso.
Hoje sai mais um número e pela publicidade que tenho visto, os responsáveis da revista já encontraram os ícones e as posturas políticas de direita dos próximos anos, assumidas pelo jovem líder e o arrivista mor da Europa.
Ambos têm ambição de alcançar os cargos mais elevados das respectivas nações e têm, reconheça-se, um discurso sem peias. Dizem o que são, não se camuflam no discurso do centrão, tão comum na direita portuguesa.
Os referidos políticos são e afirmam-se como a nova direita europeia. Que tem despertado o interesse e entusiasmo na direita, que nos últimos anos tem tido intérpretes fracos. Por isso, é natural que em Portugal a direita reconheça e se identifique com as propostas e idiossincrasias das referidas personalidades.
Vem isto a propósito deste escrito e do desafio lançado pelo Pedro. Que esquerda democrática no século XXI?
A esquerda sempre foi dinâmica e produção intelectual nunca faltou, mas no caso português, ela tem estado aquém da publicação e alcance atingidos noutros períodos. Até porque, hoje em dia, quase ninguém conhece ou lê a Finisterra. E outras publicações na área da esquerda democrática não existem.
Continua a faltar em Portugal, como avisada e reiteradamente Mega Ferreira tem expresso, uma publicação de esquerda.
Neste campo, a direita portuguesa tem dado um bom exemplo. Apresenta e promove o debate de ideais.
Sem pensamento, não se sabe ao certo o que se é e o que se quer... E há por aí tantos cata-ventos!
CMC
9:50:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Oscares[1.869/2005]
Intérpretes de 2005
Governo

O Melhor
Quem sabe nunca esquece. A experiência, a inteligência, aliadas a uma leitura estratégia de acordo com o interesse nacional são ingredientes necessários e suficientes para o considerar o melhor elemento do Governo.

O Qualificado
Já era conhecida a experiência e qualidade na área. Continua a mostrar como responsável da tutela como é a pessoa certa no lugar certo.

A Laboriosa
Pouco conhecida, e apesar de alguns deslizes, tem mostrado que também é a pessoa certa no lugar certo, num sector que precisa de mudar, a bem do futuro do país.

A Surpresa
Tendo em conta a anterior experiência governativa, esperava pouco, sobretudo numa das áreas mais delicadas e mais carenciadas de intervenção. Arregaçou as mangas e está a desempenhar uma árdua e indispensável tarefa, como poucos responsáveis da tutela desempenharam até hoje. Algumas profissionais do sector podem não gostar, mas que a coragem em querer mudar um sistema hiper-hermético está a ser assumida, lá isso está. E o senhor tem enfrentado, com determinação, as tempestades e marés adversas premeditadamente criadas.
Oscares
Esperava-se mais
Surgiu como uma, se não mesmo a estrela da companhia. Esperava-se mais do senhor, que tem estado discreto, num dos sectores mais importantes para o desenvolvimento do país.

Hábil
Os últimos responsáveis da tutela têm sido pessoas conhecedoras dos corredores de Bruxelas. A área precisa de quem saiba quais as portas e corredores do coração europeu. O actual responsável tem sido bom no desempenho das suas funções, como há dias se pode notar, por ter conquistado mais condições para um país, como o nosso, já pouco atreito à aposta no sector primário.

Discretos
Foi uma das áreas bandeira do último Governo socialista. Merece e precisa de mais protagonismo político. Neste caso, falta, também, destaque. Tem estado arredada dos palcos nos últimos anos e esta é outra das áreas que precisa de maior visibilidade.

Esperar para ver os resultados
Entrou com a carruagem já em andamento. Parece estar à altura das funções. Mas o melhor diagnóstico será apurado no final de 2006, quando se virem os números apresentados este ano.
Oscares
Discreto e eficaz qb
Não dá nas vistas. Quando surge demonstra profissionalismo e rigor.

O político
Dos políticos profissionais do Governo, tem sido o que tem sido mais bem sucedido.

Mudar de ares
Conseguiu o impossível, alinhar pelo mesmo diapasão os autarcas do Porto, Gondomar e Gaia. Nem a distrital laranja portuense consegue tal feito. De qualquer forma, mais do que alinhar desalinhados, é a política do sector. Enquanto as vias marítimas continuarem a ser desprezadas, como se o país estivesse banhado por deserto, e se apostar exclusivamente na terra e no ar, sem saber ao certo que caminho seguir quanto à estrada do futuro para o país, o sector está a ser mal servido. A cadeira ministerial precisa de novo inquilino. É hora do actual responsável mudar de ares.
CMC
8:54:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Blair[1.868/2005]
Sala de Troféus

André Azevedo Alves repesca o Tugir em português por o não ter incluído na lista dos nomeados que fez votar na semana passada no O Insurgente. Não é de meias-medidas ao dar-nos como:
"um dos melhores Blogs da esquerda democrática que prima por uma saudável independência e por um acutilante espírito crítico".
Ficamos lisonjeados, ainda mais pela boa companhia em que nos põe e aproveitamos a ocasião para saudar o justo vencedor na categoria, o excelente A Destreza das Dúvidas.
Para o André o nosso agradecimento e os votos de um Alegre 2006.
LNT & CMC
3:18:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
czar Vladimir[1.867/2005]
A indesejada prenda de Natal

A vingança serve-se fria. E o poder de Moscovo está a servi-la como ninguém, sobretudo aos Estados vizinhos que guinaram para a via ocidental.
O preço a pagar, e bem elevado, é o do gás, indispensável ao normal funcionamento das sociedades vizinhas da Rússia.
Salvaguardando a Bielorússia, há uma eleição a ganhar em Março próximo e importa estagnar as águas na Bielorússia para Moscovo manter um aliado imprescindível, os restantes Estados vizinhos, ex-repúblicas soviéticas, que estabeleceram pontes com o mundo ocidental nos últimos anos, estão a ser alvo da postura arrogante de Moscovo, que quer aumentar desmesuradamente o preço do gás vendido pela Rússia, a partir de 1 de Janeiro. Preços que nunca foram praticados com as antigas repúblicas soviéticas.
A nova tabela de preços é igual à praticada com os países ocidentais para onde a Rússia exporta gás.
Veremos se os russos têm coragem de cortar o gás se não for pago o pretendido. Penso que os russos têm essa e muitas outras coragens, nem todas abonatórias. Ou se são os Estados, como por exemplo a Ucrânia, que têm de pagar os exorbitantes preços que os russos querem praticar.
O poder de Moscovo faz sentir o seu poderio da pior forma, chantageando vizinhos com quem anteriormente se comprometera a estabelecer relações comerciais privilegiadas, designadamente pelas relações de profunda cumplicidade que unem as antigas repúblicas soviéticas.
Agora trata-os como se fossem Estados ocidentais. É uma abordagem, com traços vingativos. Aliaram-se ao ocidente, pois então paguem o que eles pagam. Pode dizer-se em Moscovo.
Aos poucos reconstrói-se a grande potência eslava. Custe o que custar, doa a quem doer.
É a Rússia. E o timoneiro é conhecido. A antiga escola da polícia política continua a dar as suas cartas.
CMC
12:25:00 da manhã . - . Página inicial . - .



quarta-feira, dezembro 28, 2005
 
Oscares[1.866/2005]
Intérpretes de 2005
Ressuscitado político

Quem diria, há dois ou mais anos, que o senhor regressaria à ribalta e entraria logo pela porta grande, a porta da presidência.
Ressuscitou quem menos se desejava.
Acaba por ser a prova provada, perdoe-se-me a redundância, de que em política o impossível também é possível.
CMC
11:33:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Oscares[1.865/2005]
Intérpretes de 2005
Fim de carreira

Simpatize-se ou não, este senhor é uma das personalidades mais marcantes das últimas décadas da península Ibérica.
Ganhou a eleição, mas sem os votos necessários para se manter no poder.
Termina uma carreira que podia ter um desfecho político mais airoso, não se arriscando a sofrer a derrota que averbou no passado Verão. Como fez há dois anos o catalão Pujol. Saiu, prevendo a derrota que não sofreu.
O político que sempre foi uma ponte entre os dois Estados ibéricos não desistiu da luta, foi às urnas e estas, pela soma aritmética dos outros partidos, rejeitaram-no A democracia tanto dá como retira. O tapete foi-lhe removido. A marca pessoal não.
CMC
11:20:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Oscares[1.864/2005]
Intérpretes de 2005
Pior do ano

Este senhor, felizmente, saiu da cena política este ano. Deixa poucas saudades.
Se o meu apreço pelo político já era pouco, com o emprego que adquiriu após a saída do poder o apreço passa a ser nulo. Ainda nos queixamos, e com bastantes motivos, do que se passa em Portugal com as nomeações, em especial uma que ocorreu este ano na CGD. Mas a nomeação do ex-chefe de Governo para uma empresa de gás, a ganhar uma fortuna, é vergonhoso.
CMC
11:08:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Rui Perdigão[1.863/2005]
A única ambição do Professor de Boliqueime

Caro Graza,
No seguimento do diálogo que estabeleci com o Rui, e depois de ler o seu comentário (texto 1.860), devemos ter bem presente qual a ambição do Professor de Boliqueime, se eleito Presidente da República.
O objectivo do Professor de Boliqueime, e não é dito de forma clara na campanha eleitoral, o que é de lamentar, é bastante claro: assim que se sentar em Belém inicia um trabalho político que visa um único objectivo político: um Presidente, um Governo, uma maioria.
A ambição é legítima. Estamos em democracia. Mas o projecto pessoal do candidato e da clique que o acompanha desde sempre é que é muito preocupante.
Porquê?
Não se deve ao facto de ser um tecnocrata, respeite-se a sua honorabilidade profissional. Não há mal nenhum na sua qualificação. Porém, como político, escapam-se-lhe os projectos de longo alcance, mingua-lhe a doutrina. O senhor é parco de ideias. O passado prova a falta de visão estratégica para o país.
O candidato bebeu algumas ideais de Sá Carneiro, de quem foi Ministro, mas falta-lhe a substância.
Conforme lhe disse há dias um candidato presidencial, num dos debates, ele não é social-democrata, apesar de se apresentar como tal. O partido que ele presidiu não pertence à família política europeia social-democrata. No debate tentou disfarçar a questão. Sem saber o que dizer, recordou-se de mais uma das doutrinas inspiradoras de Sá Carneiro e disse que era personalista. Se calhar é pouco familiar dos escritos de Mounier*. Mas também não é pecado não os conhecer, ou identificar-se com eles. Todavia, deste breve apontamento, resulta muito claro um ponto, de Sá Carneiro ele apenas bebeu a lógica do poder: um Presidente, um Governo, uma maioria. Nada mais do que isto. E agora, aquele grupinho que se formou no início da década de 80 no Ministério da Fazenda, penso que é dispensável enumerar as pessoas que constituíram o gabinete do Ministro, pois sempre o acompanharam e estão presentemente na sua Comissão Política, estão dispostos a atingir o desejo: um Presidente, um Governo, uma maioria. Porém, a ambição política de Sá Carneiro era mais vasta do que a do actual candidato. O poder não se deve alcançar como fim, mas um meio para. Havia um porquê, não uma mera ambição do poder só porque sim.
A lógica reinante entre 85/95, de ocupar e dominar o poder só pelo poder, de tachar (de tachos) o Estado para o dominar e nada fazer, de não promover a qualidade, de subsidiar a mediocridade de uma geração política que despertou nessa década e anda por aí há solta quem nunca fez mais nada a não ser carreira na jotinha, está a regressar.
A ambição desmesurada da mediocridade política reinante entre 85 e 95 está de regresso. De que tudo é fácil, desde que o cartão partidário sirva, ainda que o discurso formal aparente austeridade. Balelas. Engodos e pouca honestidade intelectual.
A ambição de redesenhar os poderes, a partir de Belém, está aí.
Não se pense que o senhor vai violar o poder constitucional. Não vai. O senhor e os que o acompanham são espertos e vão manter o formal intacto, mas não vão manter o real.
Resta saber se as condições políticas dos próximos anos são propícias ao despejo do actual Governo, ou se tem de o aguentar até 2009. Resta saber quem lhe interessa ter à frente do PPD, para seguir as ordens em São Bento a partir de Belém. Entre outros factores.
A ambição não é dita, mas é bem clara.
Resta saber quantos portugueses querem apoiar esta ambição, de uma presidencialização do regime.
O mais preocupante nem é tanto a arquitectura do poder, que se pode, e até deve, ser colocada em causa. O mais preocupante são os intérpretes. Sabemos o que fizeram, sabemos o que podem vir a fazer.
Nós sabemos quem eles são e ao que vêm.
CMC
P.S. - O redactor reverencia o autor da pintura que ilustra o artigo, Rui Perdigão.
* - Por mero escambo indiquei Morin como pai do personalismo, todavia o pai verdadeiro é Mounier e não Morin. Está feita a correcção e apresento desculpas por ter induzido em erro.
3:13:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Blogómetro[1.862/2005]
Sem moralismos

O Blogómetro é uma utilidade que Paulo Querido entendeu, em boa hora, disponibilizar para, com base nas estatísticas do Sitemeter, medir o ranking nacional dos Blogs.
Paulo Querido teve a melhor das intenções ao criá-lo mas, como sempre acontece nestas coisas, abriu uma oportunidade para os menos escrupulosos publicitarem e promoverem Blogs que pouco têm a ver com aquilo que pretendeu medir.
O crescendo de Blogs pornográficos, claramente comerciais, viu aqui uma forma de promoção gratuita de que não abdicam. Ontem, por falta de inspiração de escrita resolvi dar uma vista de olhos aos 25 primeiros mais consultados no O Blogómetro e verifiquei sem grande espanto que deles, sete, são dedicados a adultos.
Nada de falso puritanismo ou de moralismo me move neste texto.
No entanto, mesmo deixando de lado o aspecto comercial, pois muitos outros Blogs não pornográficos também já optam por se fazerem pagar, o que me impeliu a elaborar este texto foi o facto de verificar que os Blogs referidos (habitualmente soft) ligam a outros sites de hardcore muitos dos quais violentos e/ou aberrantes que, para além dos habituais sado-masoquismos (cada um come do que gosta), conduzem a cenas de violação forçada, de brutalidade e, no mais grave, de pedofilia.
Fica o alerta, até porque a ideia de quem lá está inscrito (pelo menos a do Tugir) não é minimamente a de promoção de tais práticas.
Como sugestão ao Paulo Querido, que sabemos ser pessoa de bem, atrevo a proposta de implementação de um filtro (automático ou manual).
Afinal a Blogos é lida e consultada por gente de todas as idades e condições.
Isto, uma vez mais reafirmo, sem qualquer intenção moralista ou censória.
Espero que o Paulo veja neste escrito só uma vontade de protecção de todos, em especial dos menores e da legalidade.
LNT
3:05:00 da manhã . - . Página inicial . - .



terça-feira, dezembro 27, 2005
 
Giovanni Sartori[1.861/2005]
Os desafios da esquerda democrática no séc. XXI

Interessante entrevista, a cedida pelo politólogo italiano, Giovanni Sartori, à revista do El País do passado fim-de-semana.
Sartori, à imagem da politologia italiana de esquerda, afecta às correntes da esquerda democrática, de que Norberto Bobbio é distinta referência, não despreza uma pitada de Hobbes na leitura científica e política do mundo.
A política contemporânea dispensa leituras cândidas do mundo, todavia a esquerda democrática não pode embarcar no pessimismo antropológico, mais fiel aos princípios da direita.
Sartori aponta a ecologia como um valor a ser defendido pela esquerda no dealbar deste século e, numa leitura bastante interessante, diferente da concepção da esquerda democrática dos tempos posteriores à queda do Muro de Berlim, e deve dizer-se: pouco comum à esquerda democrática, pelo menos a continental, a guerra é um facto bem presente e é preciso saber lidar com ela.
Dispensam-se leituras de que não há guerras. O quotidiano comprova o contrário. Mesmo depois do desmantelamento da União Soviética, guerras, infelizmente, não faltaram no globo.
Começa a ser hora da esquerda democrática do século XXI deixar os trajes pos-modernos com que se revestiu em determinados momentos, para ser politicamente correcta e procurar sentir-se bem consigo mesma, e assumir uma postura mais afirmativa.
A esquerda precisa de conceber outros modelos, novas referências, que não os do senhor Giddens. Pois é importante assinalar a identidade de cada projecto político, não dissimulá-lo, conforme o sociólogo britânico assume nos seus escritos. E, refira-se, a via apresentada no final do passado século, já não se adapta às novas realidades, nomeadamente as saídas do 11 de Setembro, que têm gerado diversas consequências nos mais diversos domínios.
Por isso, a esquerda democrática pode confrontar-se novamente com o dilema de optar, conforme assinalou o liberal Popper, Liberdade ou Igualdade.
CMC
10:40:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Palácio do Eliseu[1.860/2005]
Belém bem pode virar Eliseu

Caro Rui,
A campanha presidencial portuguesa tem ganho proporções, a nível do discurso, que parece tratar-se da eleição de um Presidente da República com as competências constitucionais do chefe de Estado francês. Mas não estamos a eleger um Presidente com as competências do gaulês. Longe disso.
Porém, importa sublinhar, que um dos candidatos presidenciais, leia-se Professor de Boliqueime, gostaria de ser eleito com as competências do chefe de Estado francês. Lá isso gostaria. Basta conhecer o perfil da pessoa em causa e entender as razões desse interesse.
O que o senhor fez, ou melhor, declarou hoje numa entrevista, foi uma jogada brilhante. Conseguiu os seus objectivos. Colocar os quatro principais adversários a criticarem as suas palavras. E os quatro caíram que nem uns patinhos na artimanha.
Por um lado, ele mostra (à sociedade) que tem ideias e propostas, não é um candidato mudo - como os adversários querem fazer crer. Por outro, procura obter, na opinião pública, o suporte das suas propostas. E, mais curioso, neste ponto, o reconhecimento da opinião pública advém mais das críticas dos adversários (por serem quem são) do que da proposta apresentada.
A proposta da Secretaria de Estado não foi dita de forma inocente. É premeditada.
Basta observar com o mínimo de atenção a campanha que o senhor está a realizar. Nem um deslize. Nem mesmo no duro e difícil debate que teve de realizar com o ex e experiente chefe de Estado o senhor escorregou. Tudo pensado até ao milímetro.
Nota-se uma ligeira queda nas sondagens e ele larga um trunfo para o recuperar em seguida. Agora não se vai criticar o senhor por não falar, critica-se por manifestar pontos de vista.
A inteligência de um antigo director de um jornal diário, que foi beber aos Estados Unidos os ritmos de uma campanha eleitoral, está a atingir os objectivos propostos.
Ao fim e ao cabo, vindo de quem vem, o que o senhor candidato hoje disse não é nada de surpreendente. Todos sabem que a Presidência, com o Professor de Boliqueime, será exercida de modo a governar, não de moderar.
O cúmulo, no fundo, é o interesse de parte da população portuguesa identificar-se e apoiar o estilo presidencial que corresponde à personagem em causa.
Importa perceber porquê.
Há quem esteja desatento e não se aperceba das jogadas de quem pretende conquistar o poder. Para se atingir este desiderato importa, primeiro, perpassar um discurso, e, depois, solidificar certos sentimentos na sociedade. Isto não se faz do dia para a noite. Ao longo dos últimos anos construíram uma imagem do Professor de Boliqueime de que ele é o indispensável para endireitar o país. Uma falácia. Mas uma falácia que singrou. A esquerda deixou que o discurso perpassasse, pensando que em política só conta o imediato. A esquerda não ligou ao discurso que estava a ser construído e instalado. Enquanto a direita, que já governou o país, sabe que tinha, tem, no seu providencial candidato, a hipótese para sair do obscurantismo a que foram relegados, caso seja o seu timoneiro seja eleito Presidente.
Conseguiram constuir, sem qualquer obstáculo, a imagem do salvador. O senhor que governou com os bolsos cheios e pouco fez pela qualificação do país, aparece como um redentor.Conseguiram que qualquer crítica o transformasse numa vítima. Ele, que vem, outra vez, para nos salvar. Faz-se crer. Como se existissem salvadores da pátria.
Em suma, nada do que o candidato diz, no sentido de governamentalizar a Presidência, é novidade. Novo e surpreendente, isso sim, seria se o senhor dissesse declaradamente que quer ser um moderador, aí a bota não batia com a perdigota, conhecendo nós o perfil do candidato. Todos sabem o que fará o Professor de Boliqueime no Palácio de Belém. E, repito o expresso anteriormente, o paradoxal é que muitos portugueses querem um Presidente com este estilo, mais interveniente. Sobretudo depois dos últimos três anos, de sucessivos e pouco credíveis governos, que só ajudaram para a construção da imagem do desejado, a partir da Presidência. O tal senhor recto e disciplinador do país.
O Presidente português não tem os poderes do francês, mas com o Professor de Boliqueime eleito, Belém bem pode virar um (petit) Eliseu (dentro das condicionantes máximas). Deste modo, a médio prazo, depois de devidamente instalado, as pretensões de redecorar, estética e humanamente o Palácio de São Bento, aumentam.
CMC
9:07:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Magritte[1.859/2005]
O que está em causa

Há uns tempos atrás escrevi sobre a desnecessidade de ter na Presidência da República uma pessoa especializada em economia ou direito (ou qualquer outra ciência). Dizia nessa altura que o Presidente da República tem de ser um cidadão com formação política sólida e bem enquadrada pela realidade actual do Mundo, consciente das oportunidades e ameaças e portador de esperança baseada no reconhecimento da inventiva e da capacidade inerente à nossa condição de portugueses.
O Presidente da República tem de ser, principalmente em tempo de crise, o símbolo vivo da cidadania, tem de ser o garante na defesa dos direitos consignados na Constituição. Tem de assegurar que, até nas restrições, há limites que nunca serão ultrapassados e que mesmo "o que é necessário fazer" se fará dentro das regras mínimas, principalmente do bom senso, evitando o colapso que poderá culminar em instabilidade social incontrolável.
Não é pouca coisa.
O Presidente da República não é, não pode ser, um néscio corta-fitas. O Presidente da República é uma peça essencial do nosso Estado Democrático, uma referência influente, um representante valioso das nossas cores, um digno comandante supremo em quem nos revemos na segurança dos direitos fundamentais.
Para perceber a importância da sua escolha basta lembrar o papel que Jorge Sampaio teve há um ano.
A sua acção foi determinante, embora poucos pareçam conscientes do facto.
Sem entrar nos eternos "SES" basta lembrar que a simples decisão de ter nomeado Santana Lopes em vez de ter convocado eleições alterou de forma radical todo o cenário político português. Ferro Rodrigues deixou de ser Secretário-Geral do PS, Santana Lopes demonstrou toda a sua incapacidade tendo perdido a veleidade de se candidatar à Presidência da República e Sócrates fez-se eleger com maioria absoluta. Não pretendo fazer (aqui e agora) qualquer avaliação da acção mas somente realçar a verdadeira importância do Presidente da República.
Daqui a pouco menos de um mês veremos se os portugueses conseguiram perceber o que está em causa.
Não será de ânimo leve que nos renderemos na escolha desse nosso representante.
Até poderemos não vingar na nossa determinação, mas recusamos cruzar os braços.
LNT
7:48:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Magritte[1.858/2005]
Ilações

A política portuguesa está a poucas semanas de virar uma página no ciclo democrático.
Independentemente da nova fase política portuguesa trazer páginas de capítulos anteriores e já bem conhecidas dos portugueses, por isso não se espere melhorias a nível nacional com a eleição presidencial, compete à esquerda democrática mudar de rumo.
Se a lição de 22 de Janeiro for bem entendida, que uma campanha não se faz em cima do joelho - a candidatura de direita é exemplar a este respeito pela forma como se preparou durante os últimos três anos - as diferenças e querelas da disputa do próximo dia 22 de Janeiro esfumam-se do mesmo modo que nasceram.
De outro modo, a esquerda democrática sujeita-se a afundar em umbiguismos, ainda por cima por causa de propostas sem alcance no porvir a médio prazo, além de pouco contribuírem para a estabilidade política. Pelo contrário, estando a esquerda democrática no poder, e acirrando-se os umbiguismos, estes só contribuem para destabilizar e desacreditar o que está a ser feito; e, a esquerda democrática acaba, sem querer, por servir um projecto de Portugal que se tem vindo a preparar há alguns anos. As saliências notam-se, mas os contornos ainda não são de todo bem conhecidos.
Novos desafios assomam-se, entre os quais e mais delicado: o institucional. E, de duas uma, ou a esquerda começa a delinear um projecto de desenvolvimento e crescimento de Portugal, que nem as inúmeras tentativas institucionais de a travar não são bem sucedidas, por esbarrarem no apoio social, ou sujeita-se a estatelar quando chegar à praia, se insistir na tecla dos fulanismos.
Tudo depende do bom-senso. E quem não o quiser ter, pode ter a noção de que a sua postura pode valer muito mais, a nível político, do que qualquer voto que pessoas da esquerda democrática atribuam a um candidato que não do seu quadrante político no próximo dia 22 de Janeiro.
Em política os ciclos iniciam-se e concluem-se nas datas eleitorais, mas a corrente política, que alimenta o quotidiano, não. A corrente política é contínua.
CMC
3:06:00 da tarde . - . Página inicial . - .



segunda-feira, dezembro 26, 2005
 
Doce Natal[1.857/2005]
Ufff,

finalmente já passou!
Agora já só faltam as festividades da Passagem do Ano.
Ainda assim, os agradecimentos sinceros a todos os que deixaram mensagens nos dois textos anteriores.
Para todos ficam, desde já, votos de alegre 2006.
LNT
Nota: Só a NetCabo é que não tem quaisquer melhoras. Passam-se as Festas, fica a incapacidade de prestar um serviço mínimo de qualidade. Uma tristeza e um desespero para quem paga.
8:23:00 da tarde . - . Página inicial . - .



sexta-feira, dezembro 23, 2005
 
Boas-Festas

[1.856/2005]
Feliz Natal

A todas as pessoas amigas que por aqui passam e em especial ao Luís.
Para a semana há mais escritos, depois da digestão destilada do bacalhau.
CMC
4:58:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Boas-Festas[1.855/2005]
Caros fornecedores, utentes, clientes, leitores e colaboradores

Abro, em dia de trabalho intenso, a minha época natalícia blogolítica.
Voltaremos a ver-nos assim que terminem as rabanadas, lá para vinte e seis do doze.
Aos que forem de Santos, um Santo Natal.
Para esses e todos os outros fica um abraço de Festas-Felizes.
Luís Novaes Tito
Um especial abraço de Boas-Festas ao meu parceiro e amigo Carlos Castro
10:23:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Reinata Sadimba


[1.854/2005]
Sala dos troféus

Desta é que foi. Ampliámos o espaço de exposição pois o que tínhamos reservado já não bastava para tantas honrarias.Reinata Sadimba
JPT, amável, distinguiu o Tugir com dois galardões que muito nos honram:

Os prémios Gandula Jogo-Justo
e
Gandula Lusofonia
.

Vindos do Índico, são a comprovada tese de que a Língua de Camões continua a ser elo nas cinco partidas do Mundo.
O troféu ainda mais valor tem por ser obra de Reinata Sadimba, ex-combatente Frelimo, actualmente residente no Maputo.

Reinata SadimbaEste texto é de gratidão pelas menções que na Shamba José Pimentel Teixeira nos decidiu fazer.

Ele sabe que também aqui o estimamos e que, se este ano tivermos subsídio para realizar a cerimónia, não deixaremos de o contar entre os nossos nomeados.
Um abraço de boas-festas extensíveis à MS e beijinhos à Carolina.
LNT & CMC
1:56:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
líderes[1.853/2005]
Deplorável

Ao fim de 30 anos de democracia, os líderes dos partidos de direita radicalizam, sem quaisquer motivos, o discurso político. O que nunca se viu, quanto mais ouviu nos responsáveis máximos dos democráticos PPD e CDS.
Primeiro, o Presidente do partido com menor expressão parlamentar à direita diz que o terrorismo é de esquerda e a esquerda tem culpa pela proliferação do terror no globo.
Desta feita, o Presidente do maior partido da oposição considera que o Governo português tem uma postura igual à da tirania norte-coreana.
Um deputado português já disse que a Coreia do Norte era uma democracia. Vindo de quem vem, não é de admirar. Afinal ambos comungam da foice e do martelo. Agora o líder do maior partido da oposição, mais do que isto, o Presidente do PPD, partido que sempre lutou pela liberdade de expressão com respeito por todos os intervenientes na vida política portuguesa, estabelecer comparações entre o poder de Lisboa e de Pyongyang?
Os dois líderes devem fazer um favor aos partidos que presidem. Sair da liderança.
A política portuguesa merece e precisa de uma oposição forte e credível. Não de líderes que insultam e dizem dislates.
O PPD e o CDS são grandes e responsáveis partidos políticos. Não devem ser formações políticas comandadas por pessoas sem o mínimo de senso e respeito.
A linguagem política tem limites. Comparar uma democracia com uma ditadura não é normal no líder de um partido com responsabilidades nacionais e internacionais. Deplorável.
CMC
1:30:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Lolita[1.852/2005]
Querido sobrinho Charles

Como tens obrigação de saber o meu nome é Valquíria Hernández e não como dizes Valquíria Franco Também como bem sabes não sou afilhada de Caudilho porra alguma antes filha de uma estalajadeira galega e de um fidalgo falido do Minho português Sabes igualmente que o repúdio que tenho pelas juventudes progressistas só se equipara ao desprezo pelo arrivista das ilhotas do cocuruto da Europa que tem um pé do lado de cá o outro em Brooklyn bridge uma mão na Kitay-gorod a outra nos bigodes do Barney e o coração em Baghdad (não não é o de Barcelona) sabes muito bem Hoje deu-te para aqui o que se há-de fazer Deves ter andado a ouvir umas conversetas na RTP e agora falas por meias-verdades e ainda por cima não te conténsBarney
Ou então foi daquela corverseira que dizes ter tido com um amigalhaço qualquer e que me parece que está toda deturpada pelo que conheço dos teus amigos Por falar nisso aconselho-te a ver o filme que o teu amigo saudita tem no Blog dele Se não perceberes o conteúdo do blog vai directo para este endereço lá indicado e faz por entender a mensagem que está em língua gringa
Mas prontes fiquei um pouco preocupada com a lenga-lenga das SOBABA-das-globalizações mas penso que deve ser resultante de alguma fase de crescimento ou então do espírito natalício que tarda a instalar-se na tua alma
Arrelias-te eu sei com o facto do Pereira ter conseguido ir ao acto em 22 e tu não Percebe-se ser isso que te está a incomodar mas agora o leque é ainda maior e razão têm os que protestaram por os debates não terem sido a seis que é como quem diz à meia-dúzia é mais barato e este rapaz que é muito mais novo que os outros deve ter uns horizontes largos como o caraças
Olha vou-me embora que tenho as filhozes na fritura e ainda esturram Porta-te bem e continua lá a falar das coisas importantes do globo convencido que a América do Sul é Almada ou a Reboleira e que desde que tenha uns Presidentes da Câmara simpáticos há-de ser a salvação do Mundo Vai por aí vai que vais bem mas não apanhes frio nas orelhas senão o Menino Jesus não te dá as prendinhas que lhe andas a pedir há uma data de tempo para a altura dos Reis
Bom Natal sobrinho
Beijinhos da
Tia Lólita
1:25:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Palestina/Israel[1.851/2005]
A nova Argélia 92

Um artigo que prevê o vencedor das legislativas palestinianas de Janeiro.
As débeis relações entre a Palestina e Israel podem desfazer-se e agudizar as relações, caso o radicalismo vença, como tudo indica. E se o exterior ocidentalizado procurar influenciar os eleitores palestinianos noutro sentido, a vitória dos favoritos pode ser irretorquível.
A democracia é um poço de imperfeições. Depois da Argélia 1992, a Palestina 2006 deve comprovar a falta de primor da democracia.
CMC
1:07:00 da manhã . - . Página inicial . - .




 
Israel[1.850/2005]
Tornar o (quase) impossível possível
CMC
12:49:00 da manhã . - . Página inicial . - .



quinta-feira, dezembro 22, 2005
 
PPD[1.849/2005]
Pontos nos i's

Ainda a propósito do candidato presidencial que mais tempo governou o país, é curioso constatar como, por um lado, no discurso, o senhor desdenha o partido em que militou e presidiu, e, por outro, como a máquina do partido que desdenha está em grande forma a fazer a sua campanha.
Supra-partidário?
Percebe-se que os atestados de memória são o prato forte da candidatura.
Não faça dos portugueses estúpidos senhor candidato.
CMC
11:10:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Lisnave[1.848/2005]
Mais um de atestado de amnésia

O candidato presidencial que raramente fala tem dito algumas coisas nos últimos dias. Andar pelo país obriga o senhor a falar com as pessoas, já que nos debates quase sempre se esquivou a ser objectivo em diversos pontos. Resumiu-se, como se constatou na televisão, a chavões de circunstância, que qualquer pessoa de bom-senso defende e se preocupa, como o emprego, o desenvolvimento do país.
Todavia, o senhor que diz querer falar do futuro, do futuro nada diz, e, por isso, acaba por falar de factos que estão directamente ligados ao seu período de governação.
Se há dias mostrou estupefacção com o crescimento espanhol, esquecendo-se que Roma e Pavia não se fizeram num dia, isto é, enquanto governante ele teve, como ninguém, a faca e o queijo na mão para tornar Portugal competitivo entre 1986 e 1995, como os espanhóis fizeram, com os gordos fundos europeus, e nada fez, apenas maquilhou o país, dando a entender que promoveu o desenvolvimento (os tempos contemporâneos comprovam a sua falta de capacidade política); hoje, para passar mais um atestado de amnésia aos portugueses, como tem vindo a fazer na sua campanha, o senhor louvou, no trabalhador distrito de Setúbal, os seus dez anos como chefe de Governo.
Ora as pessoas não se esquecem do que o senhor fez como Primeiro-Ministro.
Por acaso os nomes de grandes empresas portuguesas do distrito de Setúbal, Lisnave e Setenave, dizem alguma coisa ao senhor candidato?
Esqueceu-se que foi no período em que governou o país que essas duas empresas do distrito de Setúbal, na época, a primeira e a terceira a nível mundial no ramo naval, perderam a sua dinâmica?
Não se recorda das elevadas taxas de desemprego no distrito de Setúbal nas décadas em que governou?
Agradece-se que não passe atestados de amnésia. Agradece-se que não branqueie a história, pois a fome e as dificuldades de sobrevivência bateram à porta de muitas pessoas do distrito de Setúbal.
O senhor candidato vai, provavelmente, continuar em périplo pelo país. Esperemos que não continue a passar atestados de amnésia aos portugueses.
Já são dois que passa. (1)O crescimento espanhol e (2)ele, enquanto governante, como impulsionador do desenvolvimento do distrito de Setúbal.
Espera-se que os portugueses estejam atentos e não permitam a passagem destes atestados. As pessoas têm memória, ainda que o candidato deseje a amnésia colectiva.
CMC
10:27:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Iraque[1.847/2005]
A propaganda da Administração norte-americana

Incrível. Como a Administração prepara uma retirada em 2006, fazendo, desde já, crer que a situação está a melhorar. E, deste modo, pretender confirmar a posição inicial de que só saem do Iraque quando a estabilidade regressar ao país.
Está a criar-se um cenário inexistente.
Continuaremos a ouvir, nos próximos meses, por parte de Washington, a leitura de que tudo corre de feição.
Quando o discurso de vitória no derrube do ditador e edificação de um Estado democrático estiver completamente absorvido pela sociedade norte-americana e não só, os soldados aliados saem de mansinho.
Só que o Iraque continua com dificuldades e estas podem recrudescer, não só pelas divisões étnicas internas como pelo factor Irão, com quem uma etnia tem fortes relações com o poder de Teerão.
É preciso estar atento à propaganda que a Administração quer inculcar e às relações internas e externas das diversas etnias iraquianas.
CMC
7:52:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Magritte[1.846/2005]
Leituras blogosféricas

Esta tarde, uma pessoa amiga, que não via há algum tempo, e costuma ler este blogue, disse-me: "Ouve lá, eu passo pelo TUGIR, e quem é que quer saber dessas coisas que escreves da América do Sul? Falas de eleições no Chile, na Bolívia". Penso que ia continuar com o rol... Israel, Irão, Rússia, Bielorússia, China, etc... Apenas pude responder, "não perceber o que está em causa, devido ao que se passa no mundo, é não perceber o mundo. Hoje já não estamos orgulhosamente sós. Felizmente para nós."
Pelos vistos, se para a minha estimada pessoa amiga, não há pessoas interessadas no que escrevo, dessas coisas aparentemente exóticas e que não nos dizem respeito, pelos vistos há sempre alguém que lê, nem que seja este friend.
CMC
7:33:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
SOBABA[1.845/2005]
Newsletter SOBABA

Deu entrada na secretaria da SOBABA, após a acalorada Assembleia Geral de hoje, uma lista candidata aos órgãos directivos da associação.
A lista, conhecida a meio da tarde, é liderada por Valquíria Franco, distinta (como fez questão de mencionar) afilhada do Caudilho, e mais conhecida nos meios sobabistas por señorita Lolyta. A lista, ligada à denominada juventude progressista, é composta por estas pessoas.
Segundo fontes anónima um dos Luís(es), da actual direcção da SOBABA, mais conhecido nos meios da juventude progressista por Luisito, esteve quase para pertencer à lista. Porém, face aos imberbes números que Luisito representa foi rejeitado da lista. A ausência na Guerra de 36/39 era passaporte indispensável para poder constar na candidatura.
Soube-se, entretanto, que o referido Luisito, depois do chumbo da juventude progressita, continuará na lista de candidatos do actual Presidente, prevendo-se o lugar, se eleito, de vogal da direcção, tal como Don Coelhone.
Do gabinete da SOBABA soube-se, mais tarde, que a lista encabeçada por Valquíria Franco foi rejeitada pelo Conselho de Jurisdição com justos motivos. O cunho fascizóide e o slogan adolescente: quantos mais gágás melhor, não se coadunam minimamente com a Declaração de Princípios da SOBABA. Que encara o Futuro sem fantasmas do passado.
A Newsletter da SOBABA tentou apurar em vão quem dos Luís(es) da actual direcção é o Luisito, para apurar os rumores da sua adesão à ala da juventude progressista. O Presidente da SOBABA também foi contactado. Sem esclarecer quem é Luisito, disse, apenas: "Luisito é muito novo, ainda está a aprender. É normal que cometa algumas gafes. Faz parte da inexperiência".
A SOBABA vai a votos no próximo dia 22 de Janeiro de por vir ou porvir, tanto faz.
NEWSLETTER
7:08:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Almocreve[1.844/2005]
Sala de troféus

Eles para ali atirados ao Deus-dará, alfinetes de peito com ponta afiada esperando a carne na distracção. Almofadinhas pejadas deles, dos broches, dos que se põem ao peito, nos arcaboiços inchados.
Mais um para este Tugir, enviado do recôndito escuro da estante do fundo pela mão do mestre Almocreve.
Um alfinete especial pela boa conta em que temos o contador das Petas na Blogos.
Que o Senhor feito Menino o proteja.
Gratos.
LNT & CMC
5:26:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
Desdentado[1.843/2005]
Coisas do comité central sino-luso

os que evocam o passado para alicerçarem o futuro e os que só verbalizam o futuro por não terem passado.
os que apostam na concertação geracional como base de progresso e os que mantém o status quo na eterna invenção da roda, convencidos que o futuro começa hoje.
os que vêem mais longe por deterem sabedoria e os que perscrutam o infinito do óbvio para se poderem afirmar na razão.
os que lutam pela mudança e os que esperam que a mudança aconteça.
E depois há as equipas municipais compostas por um engenheiro que planeia, dois operários que executam e dez funcionários que observam e comentam.
LNT
5:11:00 da tarde . - . Página inicial . - .




 
UE[1.842/2005]
Descongelar o Tratado Constitucional Europeu

O próximo ano promete. A Constituição Europeia, congelada pelos chumbos francês e neerlandês, deve estar de regresso em 2006.
A Chanceler alemã já disse que quer recuperar o projecto constitucional europeu e as presidências da UE do próximo ano, austríaca e finlandesa, assumem como ponto da agenda europeia a reflexão sobre o Tratado, a decorrer, desde logo, no Conselho Europeu de Junho.
Pode ser que 2006 sirva de inspiração e em 2007 se recupere um projecto que é crucial para o crescimento e desenvolvimento da União Europeia.
CMC
1:52:00 da manhã . - . Página inicial . - .



quarta-feira, dezembro 21, 2005
 
Bocage [1.841/2005]
Elmano Sadino

Retrato próprio
Magro, de olhos azuis, carão moreno,
Bem servido de pés, meão na altura,
Triste da facha, o mesmo de figura,
Nariz alto no meio, e não pequeno.
Incapaz de assistir num só terreno,
Mais propenso ao furor do que à ternura;
Bebendo em níveas mãos por taça escura
De zelos infernais letal veneno:
Devoto incensador de mil deidades
(Digo, de moças mil) num só momento,
E somente no altar amando os frades:
Eis Bocage, em quem luz algum talento;
Saíram dele mesmo estas verdades
Num dia em que se achou mais pachorrento.

Manuel Maria Barbosa du Bocage

Estão a apagar os vultos literários portugueses dos manuais escolares. Bocage é um deles. Onde irá parar a nossa Cultura se a Educação base não lhe dá ferramentas?
Bocage conheceu o sabor da prisão, no Limeiro, em São Bento. Actualmente a sua obra conhece o sabor do esquecimento.
Faz hoje 200 anos que despareceu o poeta, tradutor nascido à beira Sado, que tanto ironizou e retratou com sarcasmo este país, no botequim do Rossio, actual café Nicola.
Não é só Eça que tão bem descreve o comportamente social nacional destes dias, Bocage também continua actual.
CMC
3:16:00 da tarde . - . Página inicial . - .



This page is powered by Blogger. eXTReMe Tracker